Voltar 

Alimentação após os 3 anos

O rápido desenvolvimento físico e intelectual da criança deverá ser devidamente compensado com uma alimentação rica, variada e equilibrada.

Não obstante pesarem muito menos que os adultos, as crianças têm uma maior necessidade de nutrientes e de calorias na sua alimentação.
Uma criança bem alimentada cresce mais depressa e adquire com naturalidade as defesas necessárias para combater a doença e as infecções. É aos pais que se deve atribuir a definição de hábitos importantes para a sua saúde.

O seu exemplo diário é o melhor método para que a criança aprenda, por si mesma, a conhecer e a procurar os melhores alimentos para o seu bem estar.

 

 
O pequeno almoço
Depois de uma noite de sono e de jejum, é importante fazer um bom pequeno almoço. Um dos alimentos que deve estar sempre presente nos pequenos almoços é o leite ou iogurte. O leite é muito rico em cálcio e vitamina D, essenciais para o desenvolvimento dos ossos e dos dentes. O pão de mistura e os cereais, sobretudo os flocos (de aveia, arroz, milho ou trigo), são fáceis de preparar com um bom acompanhamento do leite. A fruta, crua ou em sumo, é também ideal para iniciar o dia.
                                                         

 
As refeições na escola

Para as crianças que já frequentem o infantário ou a escola e se levantam cedo, é conveniente uma refeição complementar de fácil digestão: sanduíches de pão de mistura com queijo, ovos cozidos, fiambre ou carne magra.

Acrescentar um sumo natural, um batido (leite magro e banana) ou um iogurte com pedaços de fruta e, ainda, uma peça de fruta.
 
Os lanches
O lanche deve ser encarado como um complemento das refeições principais da criança, devendo, por isso, ser leve, mas nutritivo.

Geralmente, os lanches são condimentados com excesso de calorias, que não só não fornecem os nutrientes necessários para a criança, como lhe vão retirar o apetite para a refeição seguinte.

E
m vez de bolos e bolachas, dar-lhes pão de mistura ou uma peça de fruta. Para beber, um copo de leite, um sumo natural ou um iogurte líquido.

 
 
Os doces
Os doces, assim como todos os alimentos que contenham açúcar, incluindo as bebidas, possuem muitas calorias e, quando ingeridas, são altamente prejudiciais para a saúde da criança.

Todas as crianças são gulosas e os doces estão por todo o lado.
 

Eles são necessários para o equilíbrio alimentar, mas devem ser dados com muita ponderação e, se possível, após a refeição. Não oferecer doces entre as refeições, incluindo pastilhas elásticas ou rebuçados. Nas sobremesas, sempre que possível, substituir as guloseimas por fruta, iogurte ou queijo.

 
As gorduras

Sobretudo nas crianças com alguma liberdade de escolha, as gorduras em excesso podem ser motivo de desequilíbrio alimentar e sobrecarga ponderal.

Alimentos como salsichas, batatas fritas de pacote, aperitivos fritos ou fumados devem ser sempre evitados, pois contribuem para o excesso de peso.
 
 
As bebidas

As bebidas de eleição devem ser a água e o leite.
Os sumos (puros ou diluídos) devem ser dados às refeições.
Evitar as bebidas gaseificadas ou à base de cola e cafeína.

 

As festas de aniversário

Nas festas de aniversário do filho, optar pela simplicidade de confecção e por alimentos que tenham alguma decoração colorida.

Preparar alimentos que possam ser facilmente manipulados e comidos.
Em substituição dos refrigerantes habituais, confeccionar sumos de fruta natural.

Fazer apenas um bolo de aniversário.

Conselhos para um crescimento saudável

Os horários
As refeições do filho devem ser feitas a horas regulares. Estabelecer uma rotina diária que inclua pequeno almoço (se possível, meia hora depois de acordar), a merenda a meio da manhã, o almoço, o lanche, o jantar e a ceia.
«Não quero»
É muito comum a criança recusar comer ou não querer um alimento em especial. Não dê demasiada importância ao caso.
É com este tipo de atitudes que o filho começa a manifestar a sua personalidade.
Há que ser flexível. Deixar escolher os alimentos mas responsabilizá-lo pela escolha.
A importância da apresentação dos alimentos
Observadoras e curiosas, as crianças, a partir do primeiro ano de idade, dão muita importância à forma como os alimentos são apresentados.
As refeições ricas na variedade de formas e cores são, logo à partida, motivo de grande desejo e uma ajuda imprescindível para um maior apetite
Temperatura e sabor
A criança gosta mais de alimentos mornos ou à temperatura ambiente e de sabores suaves, frescos (leite, legumes, fruta, etc.) e pouco condimentados.
Quantidade e manipulação
Não exceder nas porções de alimentos a dar ao filho. Ser moderada nas doses. Além do mais, pode-se sempre repetir se ele assim quiser.
Um prato com porções pequenas e variadas de alimentos é encarado com outra disposição pela criança, dando-lhe uma sensação positiva no relacionamento com os alimentos.
Hábitos simples de higiene
Habituar o filho a lavar as mãos antes das refeições. Os dentes são também um aspecto importante na higiene diária.
Ensiná-lo a lavar os dentes, depois das refeições.
   
Conselhos práticos para a alimentação diária

Evitar a ingestão de fritos, de certos alimentos industrializados e de alimentos muito condimentados.
Utilizar ervas aromáticas, alho, cebola, tomate e cenoura. Reduzir o sal.
Optar por alimentos frescos, pois fornecem mais nutrientes, menos sal e açúcar.
Ao cozinhar, usar gorduras insaturadas (azeite, óleo de milho ou óleo de peixe.
Evitar alimentos enlatados.
Tanto o peixe fresco como a carne são mais saudáveis se forem grelhados. Não exagerar nos pratos com carne de bovino adulto. Uma ou duas vezes por semana é mais do que suficiente.
Os legumes e as frutas devem ser consumidos de preferência crus. Os legumes, quando cozidos, devem passar por uma breve cozedura, preferencialmente a vapor de água.

  Voltar