Voltar 

Alimentação dos 10 aos 12 meses
 

Nutrientes Textura
Proteínas
Vitaminas
Sais Minerais
Hidratos de Carbono

 

Picados grossos
Pequenos pedaços

 

Alimentos Quantidade por dia
Peixe Fornece proteínas, vitaminas e minerais. Pode ser dado a partir dos 8 ou 9 meses, de preferência peixe que não seja gordo. Tenha cuidado com as espinhas. Inicialmente deverá ser fresco e, depois, pode também utilizar peixe congelado (de boa congelação).
Clara de Ovo Ricos em proteínas de óptima qualidade, devem ser introduzidos muito gradualmente, a partir dos 6 ou 7 meses, começando apenas pela gema. Esta deve ser bem cozinhada e esmagada. Sirva em pequenas quantidades. A clara de ovo só deve ser comida mais tarde, entre os 9 e os 12 meses. A gemada (ovo cru) não é aconselhável.
Carne Fornece proteínas, vitaminas e minerais. Pode ser dada a bebés com menos de um ano, mas a sua introdução deve ser acompanhada pelo médico. Comece pela carne magra de vaca, vitela ou frango (o porco não deve ser dado até aos dois anos). Deve ser muito bem passada pela máquina ou triturada em pedaços muito pequenos.
Fruta Fornecem sobretudo vitaminas, diversos sais minerais e fibras. Introduza-as a partir do 5º ou 6º mês, começando pelas maçãs, pêras e bananas, sob a forma de papas e purés.
Legumes Fornecem vitaminas, sais minerais e fibras. Podem ser introduzidos a partir do 5º ou 6º mês, primeiro sob a forma de caldos ou papas, tornando-se lentamente mais espessos, até formarem purés. A cenoura e a batata são os legumes utilizados para a base de caldos. Complemente com outros legumes, como o feijão verde, a alface, a penca, etc. Cozinhe os legumes em pouca água e aproveite-a, pois é muito nutritiva.
Massas
Arroz Fornecem sobretudo hidratos de carbono. São óptimos para acompanhar a carne ou o peixe, a partir dos 9 meses.
Batata
Lacticínios

3 Refeições principais

Pequeno Almoço Almoço Jantar

               Procurar sempre um sabor novo de cada vez


                           

A preparação dos alimentos

Na preparação caseira da comida, ter o cuidado de a adaptar ao gosto e à digestão do bebé. Servir separadamente os diferentes alimentos para que o bebé os possa diferenciar, apreciar e seleccionar.

Essa é, aliás, um das vantagens da comida caseira.
Variar a aparência e a textura dos alimentos são importantes estímulos para a progressiva adaptação.

Não usar qualquer tipo de tempero. Deixar a criança descobrir o sabor natural dos alimentos.
O sal e açúcar são totalmente dispensáveis, conforme já referido em capítulos anteriores: o sal pode sobrecarregar os rins do bebé e o açúcar criar habituação.
Como guardar a comida do bebé

U
ma forma prática de ter sempre disponível comida diferente para o bebé, consiste em congelá-la sob a forma de cubos.
1. Preparar a sopa e arrefecendo-a numa tigela em água fria.

2. Depois, deitar a sopa numa forma de cubos de gelo, tapando com uma película aderente e levando a congelar.

3. Depois de congelados, guardar os cubos em sacos plásticos, separados por tipos de alimentos

   

  Voltar